(31) 3224-2434
(31) 3224-0017
 Área do Usuário Entre ou cadastre-se
Artigo
            Publicações             Artigos             XVI Domingo do Tempo Comum
XVI Domingo do Tempo Comum 18 de Julho de 2022 Dom Eurico dos Santos Veloso Artigo dos Bispos "Senhor, quem morará em vossa casa? Que em nada prejudica o seu irmão, nem cobre de insultos seu vizinho..." Sl 14(15)
Dom Eurico dos Santos Veloso
Dom Eurico dos Santos Veloso Arcebispo Emérito de Juiz de Fora - MG
A a     

A Liturgia do Décimo Sexto Domingo do Tempo Comum, nos convida a refletir sobre o acolhimento à Palavra Salvífica do Senhor. As Leituras propostas para este domingo se desdobram sobre a presença da Palavra no meio de nós, bem como o próprio Verbo Encarnado que se faz presente, por isto, devemos dar a atenção devida à presença da Palavra.

A Primeira Leitura retirada o Livro de Gênesis (Gn 18,1-10a), demonstra o acolhimento de Abraão à Deus, onde Abraão recepcionou os Três Homens e pediu que eles permanecessem com eles, pois Deus o agraciou com a sua presença. Abraão não mediu esforços em recepcioná-los, dando-lhes as melhores comidas preparadas para eles, sinal de fraterno amor e acolhimento, sendo aquele que partilha e, consequentemente, é agraciado.

O Evangelho de Lucas (Lc 10,38-42), é relatado a visita de Jesus a casa de Marta e Maria, em que Maria sentou-se e ouvi as Palavras de Jesus e Marta permaneceu a trabalhar. Incomodada com a sua irmã, Marta aponta aquilo para Jesus, entretanto ele a adverte: “Marta, Marta! Tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas. Porém, uma só coisa é necessária. Maria escolheu a melhor parte e esta não lhe será tirada” (cf. Lc 10,41b-42). E a advertência que Jesus transmite a Marta é uma reflexão também para nós que, muitas vezes, esquecemos de perceber a presença do Altíssimo junto a nós devida a tantas preocupações em nossas vidas.

E a Segunda Leitura extraída da Carta de São Paulo aos Colossenses (Cl 1,24-28), Paulo demonstra que ao acolher a Palavra de Jesus, torna-se cooperador à construção da Igreja, bem como se solidariza junto dela. Tudo isto em razão de conhecer Aquele que nos amou por primeiro e se fez vítima como sinal de salvação por todos nós. Portanto, “nós o anunciamos, admoestando a todos e ensinando a todos, com toda sabedoria, para a todos tornar perfeitos em sua união com Cristo” (cf. Cl 1,28).

Que a graça da Liturgia deste Décimo Sexto Domingo do Tempo Comum, suscite em cada um nós a própria graça da escuta e hospitalidade da Palavra de Deus como a base que nos sustenta a propagar a misericórdia de Deus a todos a nossa volta.

Saudações em Cristo!

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
Últimas Notícias
                  
Área do Participante
Esqueceu sua senha? Ainda não tem cadastro? Clique aqui.
Área do Participante
Esqueceu sua senha? Ainda não tem cadastro? Clique aqui.
Esqueceu a senha
Inscreva-se