(31) 3224-2434
(31) 3224-0017
Artigo
            Publicações             Artigos             Sentido da cumplicidade
Sentido da cumplicidade 06 de Abril de 2021 Dom Paulo Mendes Peixoto Artigo dos Bispos
Dom Paulo Mendes Peixoto
Dom Paulo Mendes Peixoto Arcebispo Metropolitano de Uberaba – MG
A a     

Na Encíclica Fratelli Tutti o Papa Francisco alude a certos casos de fechamento e de silêncios coniventes com o mal. São atitudes que não se primam pela transparência e honestidade, e impedem que seja construída a verdadeira amizade social. O que está subentendido aí é a injustiça, que ocasiona descontentamento na comunidade, conflitos e incapacidade para gerar convivência feliz.

A cumplicidade com propósitos escusos deixa como legado para o povo grandes feridas recalcadas de injustiça. São realidades que nunca podem ser abandonadas e esquecidas, porque ficam rastros de sofrimento. No mínimo, por causa de malvadez nas atitudes, alguém acaba sofrendo por ser ferido em sua dignidade. O Papa cita o que fizeram bombardeando Hiroxima e Nagasaki.

Na história dos povos muitas atitudes causam vergonha para a humanidade, que não podem ser esquecidas e nem anestesiar as novas culturas. Além da tragédia de Hiroxima e Nagasaki, tivemos grandes perseguições, comércio de escravos, massacres étnicos, que não podem desaparecer da mente humana. Sem mente histórica não se consegue avançar, e revela conivência com um passado injusto.

O horror às violações aos direitos humanos do passado deve aguçar a memória das sucessivas gerações do futuro para ser contra toda vontade de domínio e destruição. É muita insensibilidade querer justificar erros de hoje a partir dos erros do passado, porque o mal não pode ser justificado com outro mal. Procedendo assim, a história cultural das gerações estará sendo sempre conivente com o erro.

O caminho mais eficaz, acima de qualquer ato de vingança em relação às violências do passado, é a via do reconhecimento, do perdão e da mudança de rumo na conduta de vida. Isso não significa conivência e nem esquecimento do fato sombrio de outros tempos, mas consciência de responsabilidade maior em relação ao respeito que devemos ter aos valores da vida humana nos novos tempos.

O Papa Francisco diz que não se trata de impunidade. Ele fala de perdão e não descarga de rancor, de vingança, porque esse formato não ajuda a sociedade construir a paz, mas alerta para a prática da justiça, essencial para que exista o verdadeiro perdão. Os órgãos de Estado têm o compromisso premente de arbitrar em relação às questões que afetam a harmonia no meio de seu povo.

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
Últimas Notícias
                  
Área do Participante
Esqueceu sua senha? Ainda não tem cadastro? Clique aqui.
Área do Participante
Esqueceu sua senha? Ainda não tem cadastro? Clique aqui.
Esqueceu a senha
Inscreva-se