(31) 3224-2434
(31) 3224-0017
Artigo
            Publicações             Artigos             Saber dizer com sabor
Saber dizer com sabor 26 de Março de 2021 Dom Walmor Oliveira de Azevedo Artigo dos Bispos "Sejam mais ouvidos aqueles que sabem dizer com o sabor do Evangelho, para que o mundo se liberte de obscurantismos e fechamentos"
Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Dom Walmor Oliveira de Azevedo Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte - MG e Presidente da CNBB
A a     

A sabedoria cristã inspira modos de se expressar caracterizados pelo sabor do Evangelho de Jesus, que tem como núcleo central o amor. É um saber dizer com o sabor do Evangelho. O amor, núcleo central da Palavra de Deus, é a grande praça onde podem se encontrar pessoas de diferentes confissões religiosas, múltiplas culturas. É sabor insubstituível, com força para fazer das diferenças uma grande riqueza, inspirando as transformações necessárias para este tempo. E o sabor do Evangelho tem uma “carta magna” consagrada, o Sermão da Montanha, narrado com magistralidade literária pelo evangelista Mateus. A força da Palavra articula a ortodoxia do testemunho, comprovação de fidelidade autêntica, validando a exatidão de toda formulação e compreensão conceitual. A leitura do Sermão da Montanha, em atitude de prece, é um exercício sapiencial que convida a cultivar sabor no saber dizer.

Estudos linguísticos e a vida cotidiana mostram que a palavra é instrumento indispensável e determinante na constituição de processos culturais e humanísticos. Todo fenômeno humano depende da palavra, que tem força própria, em conexão com mundividências e com ordenamentos da mente. Inadequadamente empregada, a palavra pode ficar desprovida de sua força constitutiva e edificante. Pode ainda alimentar dissonância, sem propriedades para possibilitar o reconhecimento de novos horizontes na vida social, política e também religiosa. Expressar-se é atitude que exige responsabilidade – dizer com sabor do Evangelho – para bem desempenhar as próprias responsabilidades.

Não é difícil constatar que muitos se expressam de modo medíocre, sem conseguir gerar o que é necessário para promover o bem. Ao contrário, semeiam o caos, alimentado por quem não sabe falar com o sabor do Evangelho. Um descompasso comum nos muitos espaços de convivência e nas diferentes formas de relacionamento humano. Um pai de família que não sabe instruir seu filho, a partir de palavras alicerçadas no Evangelho, compromete a qualidade do processo educativo no contexto familiar. Dizer com o sabor do Evangelho precisa ser compromisso de todos, especialmente dos cristãos. Aos que professam a fé cristã, esse modo de dizer exige força de profecia – ser porta-voz da verdade que aponta a urgência de se tomar rumos novos para construir um mundo melhor. Exige também palavras de consolação, capazes de contribuir para que as pessoas encontrem sentido e esperança na vida – modos de se expressar que são bálsamo para o coração. A palavra dos cristãos, com sabor do Evangelho, deve ser, ao mesmo tempo, profética e consoladora, reconforto e lúcida força educativa, para ajudar a humanidade na conquista de novas compreensões.

Há de crescer a consciência do quanto é insubstituível e necessária a capacidade de se comunicar com o sabor do Evangelho, para levar harmonia e qualificação a muitos processos institucionais, inclusive nos âmbitos políticos, culturais e religiosos. Nesses diferentes campos, estabelece-se uma confusão de entendimentos, com a multiplicação de subjetivismos, nas estreitezas de interesses particulares e limitada perspectiva humanística. A liberdade de se expressar, neste tempo de muitas facilidades para fazer circular as próprias palavras, exige, neste mundo que permanece fechado à fraternidade social, um remédio: palavras com o sabor do Evangelho. É, a cada instante, um risco emitir juízos e opinar sem saber dizer com esse necessário sabor. Não basta somente usufruir-se do direito de dizer, ou valer-se dos meios tecnológicos para se expressar. Todos têm o dever de oferecer contribuição, em cada palavra, para estabelecer novo ciclo civilizatório, sem faltar com a verdade, promovendo as urgentes correções de rumos, plantando esperanças, a serviço de um desenvolvimento integral e inclusivo.

Sejam mais ouvidos aqueles que sabem dizer com o sabor do Evangelho, para que o mundo se liberte de obscurantismos e fechamentos. O Papa Francisco, na sua Carta Encíclica Fratelli Tutti, sobre a amizade social, focaliza o mundo fechado deste tempo, com indícios de regressão, em contradição diametral a muitos avanços e conquistas obtidos pela humanidade, para dizer que o amor, a justiça e a solidariedade não são alcançados de uma vez e para sempre. “Hão de ser conquistados cotidianamente”. Nesta conquista conta a palavra dos que sabem dizer com o sabor do Evangelho, inspirando novas compreensões nos campos da ciência e da tecnologia, da política e da espiritualidade.

Para amalgamar tudo o que se aprende e se sabe, os recursos existenciais e profissionais aprendidos, para ser livre de um modo néscio de falar e, sobretudo, da incompetência na execução das próprias responsabilidades, é preciso, com humildade, inspirar-se na literatura sapiencial de Israel, na prece de Salomão, e suplicar: “Ó Deus, Senhor de misericórdia, que tudo fizeste com tua Palavra... para governar o mundo com santidade e justiça e exercer o julgamento com retidão do coração... dá-me a sabedoria... manda-a para que me acompanhe e trabalhe comigo...”. Assim, todos possam saber dizer com o sabor do Evangelho.

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
Últimas Notícias
                  
Área do Participante
Esqueceu sua senha? Ainda não tem cadastro? Clique aqui.
Área do Participante
Esqueceu sua senha? Ainda não tem cadastro? Clique aqui.
Esqueceu a senha
Inscreva-se