(31) 3224-2434
(31) 3224-0017
Artigo
            Publicações             Artigos             Discernimentos e poesia
Discernimentos e poesia 19 de Junho de 2020 Dom Walmor Oliveira de Azevedo Artigo dos Bispos
Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Dom Walmor Oliveira de Azevedo Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte - MG e Presidente da CNBB
A a     

A humanidade está desafiada a tomar a direção certa para não ser vítima de emboscada. A pandemia da covid-19, em curva crescente de contaminações, expôs, ainda mais, as muitas outras pandemias que ameaçam o ser humano. A fome, a miséria, o feminicídio, o extermínio de indígenas, moradores de rua e vulneráveis mostram grande ferida, a ser curada, na civilização contemporânea. Em especial no contexto brasileiro, há uma preocupação: o país parece estar entre dois “paredões”, obscurecendo seus rumos e esmaecendo a luz de sua esperança. Urgentes providências são necessárias – os paredões precisam ser rompidos por um processo técnico-humanístico. Processo que seja capaz de iluminar direções para libertar a cultura de obscurantismos crescentes, obstáculos ao desenvolvimento integral.

Embora a contemporaneidade seja marcada pela assinalação de muitos avanços tecnológicos e científicos, admiráveis, convive-se com um terrível despreparo humanístico-espiritual. Faltam as bases para o cultivo de novos hábitos. Consequentemente, não há adequado enfrentamento das muitas crises que pesam sobre a humanidade. Ao analisar os acontecimentos dessas duas primeiras décadas deste terceiro milênio percebe-se, claramente, esse despreparo humanístico-espiritual.  Há, no Brasil, muitos fatores que contribuem para o crescimento da exclusão social, para o recrudescimento da violência e para a consolidação de hábitos que são fonte de esgotamento do meio ambiente, causa de adoecimento das pessoas. Esses males ainda acentuam os atentados contra a democracia, com desrespeitos graves a instituições democráticas, a princípios pétreos da Constituição Federal, passando por cima da integridade das pessoas.

Espera-se rapidez para investir em ferramentas, dinâmicas e, principalmente, em experiências humanístico-espirituais que permitam à civilização contemporânea tomar rumo certo, libertando a sociedade brasileira de “paredões” escurecidos como porões. É preciso inaugurar novo estilo de vida e não permitir que a herança cultural-religiosa do povo seja ameaçada por escolhas ideológicas e políticas. Essas escolhas, além de serem equivocadas, alimentam vandalismos, que comprovam delírios de onipotências de grupos guiados pela hegemonia do dinheiro. Essa submissão a ideologias que distorcem o ser humano leva pessoas a acreditar, alucinadamente, serem “donas da verdade” e, por isso, detentoras de autoridade para atacar, desrespeitar, passar por cima dos outros. Uma situação incontestavelmente grave, que gera perdas no exercício da cidadania e na força das instituições a serviço do país.

Almas adoecidas, ideologias que comprometem a democracia, cidadania enfraquecida e instituições fragilizadas levam a um diagnóstico preocupante: faltam forças estratégicas para vencer as pandemias e há carência de lucidez para escolhas acertadas, capazes de gerar as mudanças necessárias. Sofre-se com a ausência da capacidade para articular valores, interpretar adequadamente a realidade e, assim, acertadamente contribuir para qualificar o contexto sociopolítico, nos parâmetros da democracia e do humanismo integral. Há, também, um nível de desgaste nas relações que provoca a perda de um componente indispensável para a harmonia entre as pessoas: a ternura, um dos fundamentos necessários à convivência. Importante é superar esquemas viciados e enxergar horizontes de valores e princípios que inspirem cada pessoa a contribuir para uma virada civilizatória urgente. O convite é recorrer sempre ao discernimento e à poesia.

Tristemente, falta a competência para o discernimento. Isto se torna evidente quando é observado o amplo universo de palavras proferidas na vida social – poucas são edificantes. Grande parte das palavras ditas apenas revelam delírios de onipotência.  A poesia pode ser caminho para corrigir essa triste realidade, pois recompõe o encantamento – por Deus, pela natureza, por si e pelo outro, que é irmão. É hora de palavras edificantes, do coro dos lúcidos, para que ocorra o que diz Dante Alighieri: “Porque se as palavras curam tua alma, também hão de curar o teu corpo”. A humanidade, com feridas expostas, neste tempo difícil, de travessia, acolha também a indicação de Carlos Drummond de Andrade: “Ponha a saia mais leve, aquela de chita, e passeie de mãos dadas com o ar. Enfeite-se com margaridas e ternura e escove a alma com leves fricções de esperança. De alma escovada e coração estouvado, saia do quintal de si mesmo e descubra o próprio jardim”. Por uma humanidade nova, na lucidez de discernimentos e na ternura da poesia.

 

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
Últimas Notícias
                  
Área do Participante
Esqueceu sua senha? Ainda não tem cadastro? Clique aqui.
Área do Participante
Esqueceu sua senha? Ainda não tem cadastro? Clique aqui.
Esqueceu a senha
Inscreva-se