(31) 3224-2434
(31) 3224-0017
 Área do Usuário Entre ou cadastre-se
Artigo
            Publicações             Artigos             Bater no peito
Bater no peito 02 de Fevereiro de 2022 Dom Paulo Francisco Machado Artigo dos Bispos "Ao bater no peito com verdadeira piedade, nosso coração de pedra se abre à ação do Espírito para dar lugar ao coração de carne..."
Dom Paulo Francisco Machado
Dom Paulo Francisco Machado Bispo Diocesano da Diocese de Uberlândia - MG
A a     

Bater no peito é gesto que desapareceu de nossas celebrações, quando é evangélica e antiga expressão de arrependimento, de reconhecimento de nossa condição de pecadores e desejo – graça almejada – de conversão, por isso causa-me espécie verificar que esse gesto venha a desaparecer de nossas missas.

Na conhecida parábola do fariseu e do publicano, encontrada no Evangelho segundo Lucas, capítulo 18 versículos 9-14, enquanto aquele se vangloriava de seus feitos, de sua “piedade”, o publicano pecador reconhecia seus pecados, ficava à distância e, “batia no peito”, dizendo ‘Meu Deus, sê propício para mim, que sou pecador!’. Em outra passagem do mesmo Evangelho, capítulo 23, versículo 48, encontramos: “E as multidões, que tinham acorrido para assistir à cena da morte de Jesus, viram o que havia acontecido e, batendo no peito, voltaram para casa”.

O gesto penitencial quase que imediatamente passou à Liturgia da igreja, uma vez que passagens da Sagrada Escritura e, especialmente dos Evangelhos, inspiraram e orientaram nossos ritos litúrgicos, palavras e, ainda marcam as nossas celebrações. Mas devemos levar em conta a ação fundamental do Espírito Santo e ainda as raízes de uma dada cultura, na qual se eliminam certos elementos e se enxerta o que corresponde a nossa fé cristã.

Santo Agostinho fez referência a esse rito quando, com um certo senso de humor, pede aos fiéis ser desnecessário apedrejar seus pecados com tanta força, pois alguns fiéis batiam fortemente no peito ao recitar o ‘confiteor’.

Nos nossos dias, tal gesto pouco a pouco vai desaparecendo na comunidade celebrativa, enquanto inúmeras “jabuticabas” se insinuam nas celebrações da missa. Hoje, poucos, pouquíssimos fiéis batem no peito quando as rubricas do Missal são claras: “Confesso a Deus todo-poderoso e a vós, irmãos e irmãs, que pequei muitas vezes por pensamentos e palavras, atos e omissões, (E, BATENDO NO PEITO, DIZEM):por minha culpa, minha tão grande culpa…

Pergunto-me: Por que ocorre isso?

Sugiro, entre outras respostas: Porque o reconhecimento de nossas faltas parece constituir uma humilhação de nossa natureza, exageradamente ciosa de nossa grandeza, de nossa inteligência e poder. Exaltamos nossas obras, enquanto perdemos a capacidade de nos maravilharmos com as obras do Senhor, com o céu estrelado ou a tonalidade mimosa de uma flor. Na tela de nossa consciência, o pecado está a se apagar continuamente, ou seja, vamos perdendo a sensibilidade diante do mal que cometemos a temer a humilhação a afetar a dignidade humana. Às vezes, presumimos ser a nossa grandeza obra de nossas mãos, como se fosse uma conquista da criatura humana e não graça comunicada por Cristo, restaurador da Criação?

Na verdade, de uma sociedade teocêntrica, passamos a uma sociedade antropocêntrica, na qual é em torno da pessoa humana que giram todos os astros, planetas, satélites e, até mesmo, as nebulosas, como a nossa maravilhosa Via Láctea.

Espanta-me o fato de não reconhecermos o lugar subordinado ocupado por nós, pobres criaturas, enquanto criamos substitutos – o que não passa de uma idolatria – para Deus, Senhor da Vida Plena, erguemos altar aos ídolos, fornecedores de alegria, bem-estar terrenos e passageiras.

Ao bater no peito com verdadeira piedade, nosso coração de pedra se abre à ação do Espírito para dar lugar ao coração de carne, humano, compassivo, misericordioso.

Então, diante dessas breves reflexões, que tal retornar ao antigo e significativo gesto de bater no peito, para com toda humildade pedir ao Senhor para manifestar sua infinita misericórdia, sua compaixão?

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
Últimas Notícias
                  
Área do Participante
Esqueceu sua senha? Ainda não tem cadastro? Clique aqui.
Área do Participante
Esqueceu sua senha? Ainda não tem cadastro? Clique aqui.
Esqueceu a senha
Inscreva-se