(31) 3224-2434
(31) 3224-0017
Artigo
            Publicações             Artigos             A paz tão sonhada
A paz tão sonhada 27 de Dezembro de 2019 Dom João Justino de Medeiros Silva Artigo dos Bispos Entende-se, então, porque Jesus disse “bem-aventurados os que constroem a paz...” (Mt 5,9)
Dom João Justino de Medeiros Silva
Dom João Justino de Medeiros Silva Arcebispo Metropolitano de Montes Claros - MG
A a     

O ano novo está às portas. As mensagens natalinas são acompanhadas de votos de feliz ano novo. Os augúrios de paz são os mais repetidos. É praticamente unânime desejar a paz no início de um novo ano. Os católicos celebram no dia 1º de janeiro a solenidade de Maria, Mãe de Deus. Celebra-se o belo título Theotókos (mãe de Deus) dado à Maria, mãe de Jesus, no Concílio de Éfeso, no ano de 431. No primeiro dia do ano, desde o pontificado de São Paulo VI, celebra-se, também, o Dia Mundial da Paz, ocasião em que o papa escreve sua mensagem para todos os homens e mulheres de boa vontade, sempre com o apelo à paz.

Desta vez o Papa Francisco tratou da “paz como caminho de esperança: diálogo, reconciliação e conversão ecológica”. A humanidade traz na memória e na carne as lembranças dos conflitos e guerras que ferem o sentido da paz entre os povos e entre as pessoas. Nós cristãos devemos escutar uma vez mais o anúncio dos anjos aos pastores: “Glória a Deus no mais alto dos céus e na terra, paz a todos por ele amados” (Lc 2,14).

Jesus, ao ensinar as bem-aventuranças, que assinalam o que deve ser tomado como essencial na vida dos seus discípulos, pontua: “Bem-aventurados os que constroem a paz, porque serão chamados filhos de Deus” (Mt 5,9). Vencedor da morte, ressuscitado, dá aos seus discípulos como dom pascal a paz: “A paz esteja convosco” (Jo 20,19), diz Jesus ressuscitado quando se dirige aos discípulos no anoitecer daquele domingo de sua ressurreição. Essas palavras mostram a imediata relação entre trabalhar pela paz e ser chamado ou reconhecido como filho de Deus. Portanto, é nítida a contradição quando quem se diz cristão escolhe o caminho do armamento, do lucro das armas e da sua insana fabricação.

É bom desejar a paz aos outros. No entanto, é urgente trabalhar pela paz. E isso passa pelo compromisso de muitas mudanças. A começar pela linguagem, pois costumamos ser violentos nas palavras que agridem e nas palavras que parecem justificar a violência. Nesse sentido, educar para a paz deve ser o compromisso de todo aquele que professa crer em Jesus como Filho de Deus. E a educação para a paz começa com a proposição do evangelho da fraternidade. Somos todos irmãos e tudo devemos fazer para conter os impulsos de violência e agressão contra as pessoas. Qualquer forma de agressão, de violência, de desrespeito aos direitos da pessoa afasta a paz.

Com efeito, é urgente a superação do feminicídio. É inadmissível qualquer espécie de violência contra as mulheres. É preciso por fim à matança dos jovens, vítimas, sobretudo, da praga do século, a dependência das drogas. Não se pode esquecer da paz tão desejada no campo, lugar de disputas de terras, de conflitos e de mortes. Nessas disputas por território, os indígenas se encontram em grande desvantagem diante de um Estado que enfraquece os mecanismos de controle para favorecer os mais poderosos. É fundamental proteger as crianças e adolescentes de todas as formas de violência. É preciso, ainda, cuidar e proteger os idosos. Enfim, quem deseja a paz, deve trabalhar pela paz. Entende-se, então, porque Jesus disse “bem-aventurados os que constroem a paz...” (Mt 5,9). Assim, todos são convocados a participar da construção da tão sonhada paz...

Compartilhe este artigo:
Nome:
E-mail:
E-mail do amigo:
Últimas Notícias
                  
Área do Participante
Esqueceu sua senha? Ainda não tem cadastro? Clique aqui.
Área do Participante
Esqueceu sua senha? Ainda não tem cadastro? Clique aqui.
Esqueceu a senha
Inscreva-se